quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Cores Missionárias

Continente significa cada uma das grandes divisões da Terra. E estas divisões tornam-se conhecidas por um nome: Ásia, África, Europa, América, Oceania.

No contexto missionário, cada um deles receberam uma cor que os representam:
A cor verde recorda a África, com suas florestas e tam­bém a esperança do crescimento da Fé cristã, graças também aos missionários que lá se encontram.

A cor vermelha lembra as Américas, por causa da cor da pele dos primeiros habitantes, os índios, (“os peles-ver­melhas”, como foram chamados na América do Norte) e também o sangue dos mártires, derramado por estes povos na época da conquista destas terras pêlos euro­peus e nos nossos dias. Mártires de ontem e de hoje.

A cor branca representa a Europa, terra da raça branca. É também o continente que tem a presença do Papa, o grande mensageiro e missionário da paz.

A cor azul lembra a Oceania, continente formado por muitas ilhas e necessitado de missionários, mas que já envia seus missionários para outras ter­ras, inclusive para o Brasil. É também o continente da ecologia, ou seja, o que mais luta pela preserva­ção da natureza.

A cor amarela representa a Ásia, continente da raça amarela, berço das antigas civilizações, cul­turas e religiões. Lá se encontra quase metade da população do planeta e a menor porcentagem de cristãos. Vivem os extremos da riqueza e da pobreza.

COMO SURGIRAM AS CORES DOS CONTINENTES?
O bispo Fulton Sheen, quando era diretor das POM dos Estados Unidos, teve a ideia do Rosário Missionário. O rosário é formado por cinco dezenas, que são rezadas meditando-se em quatro "mistérios" da vida cristã. Cinco também são os continentes do mundo. Ele escolheu uma cor para cada continente que, de alguma forma, recorda suas características. A cor representa cada povo e cada cultu­ra. O Rosário Missionário, além da devoção a Maria, mãe de Jesus, tem como objetivo unir pela oração todos os filhos de Deus presentes no mundo inteiro. Por isto a contemplação de cada mistério traz uma reflexão sobre cada continente. "A ora­ção deve acompanhar os passos dos missionários, para que o anúncio da palavra se torne eficaz, pela graça divina." A ora­ção do rosário é simples e fácil de se rezar e poderia ser assu­mida por todos da IAM.
Como sabemos, nós que fazemos parte desta Obra temos algo que nos identifica: é a nossa saudação. Entrelaçamos nossas mãos em sintonia com todas as crianças do mundo. Cada dedo representa um conti­nente e assim nos saudamos: "De todas as crianças do mundo, sempre amigos!" Esta saudação tem o objetivo de nos integrar na Missão universal. Assim como o tema: "Crianças ajudam e evangelizam crianças." É para nos lembrar do compromisso com a Missão universal.


FONTE: http://garotada-diretrizes.blogspot.com/2009/01/as-cores-missionrias.html

Quem cria espectativa, frustra-se. Mas quem traça objetivos e metas: Transforma

Diante da realidade em que muitas pessoas vivem, acostumadas em receber informações prontas, a consciência crítica e o ato de pensar, é uma tarefa ardua e desagradável. É urgente sair do comodismo e fazer a diferença, seja um cidadão exclarecido argonalta do saber!

Folosofia

PORQUE O FRANGO ATRAVESSOU A RUA?

PLATÃO: Porque buscava alcançar o bem.  
ARISTÓTELES: Está na natureza dos frangos cruzar a estrada.  
MARX: Era uma inevitabilidade histórica.  
HIPÓCRATES: Devido a um excesso de humores em seu pâncreas. 
MAQUIAVEL: O frango cruzou a estrada. A quem importa o por quê? O fim de cruzar a estrada justifica qualquer ato.
KANT: O frango seguiu apenas o imperativo categórico próprio dos frangos. É uma questão de razão prática.  
SARTRE: Trata-se de mera faticidade. 
NIETZSCHE: Ele deseja superar a sua condição de frango para tornar-se um superfrango.
BLAISE PASCAL: Quem sabe? O coração do frango tem razões que a própria razão desconhece.  
SÓCRATES: Só sei que nada sei.  
PARMENIDES: O frango não atravessou a estrada porque não podia mover-se.O movimento não existe.  
ESTOICOS: O frango atravessou a estrada porque esse é um acontecimento necessário. É o destino. Já estava previsto pela ordem universal do cosmos.  
EPICURISTAS: É prazeroso ao frango atravessar estradas. O que você acha, amigo? FILÓSOFOS DA ESCOLA DE FRANKFURT: É uma questão medíocre imposta pelos mentores de uma arte de massas que transformou a imagem de um frango em mais um produto da indústria cultural.  
FILÓSOFOS MEDIEVAIS: Para responder a tal questão, devemos primeiro deliberar se a expressão "frango" é puro termo esvaziado de sentido ou se a palavra que expressa a idéia genérica e universal de frango, ou ainda se se trata de um frango concreto em particular. 
Fonte: Textos da internet.

MUDANÇAS


Filme Edson

Pastoral_Familiar_Assembléia_Caçador.wmv

Ocorreu um erro neste gadget