quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Folosofia

PORQUE O FRANGO ATRAVESSOU A RUA?

PLATÃO: Porque buscava alcançar o bem.  
ARISTÓTELES: Está na natureza dos frangos cruzar a estrada.  
MARX: Era uma inevitabilidade histórica.  
HIPÓCRATES: Devido a um excesso de humores em seu pâncreas. 
MAQUIAVEL: O frango cruzou a estrada. A quem importa o por quê? O fim de cruzar a estrada justifica qualquer ato.
KANT: O frango seguiu apenas o imperativo categórico próprio dos frangos. É uma questão de razão prática.  
SARTRE: Trata-se de mera faticidade. 
NIETZSCHE: Ele deseja superar a sua condição de frango para tornar-se um superfrango.
BLAISE PASCAL: Quem sabe? O coração do frango tem razões que a própria razão desconhece.  
SÓCRATES: Só sei que nada sei.  
PARMENIDES: O frango não atravessou a estrada porque não podia mover-se.O movimento não existe.  
ESTOICOS: O frango atravessou a estrada porque esse é um acontecimento necessário. É o destino. Já estava previsto pela ordem universal do cosmos.  
EPICURISTAS: É prazeroso ao frango atravessar estradas. O que você acha, amigo? FILÓSOFOS DA ESCOLA DE FRANKFURT: É uma questão medíocre imposta pelos mentores de uma arte de massas que transformou a imagem de um frango em mais um produto da indústria cultural.  
FILÓSOFOS MEDIEVAIS: Para responder a tal questão, devemos primeiro deliberar se a expressão "frango" é puro termo esvaziado de sentido ou se a palavra que expressa a idéia genérica e universal de frango, ou ainda se se trata de um frango concreto em particular. 
Fonte: Textos da internet.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget